Colaborador e pesquisador no Hospital das Clinicas da faculdade de medicina da USP, integrante da equipe de amor patológico e ciúmes excessivo - ambulatório dos Transtornos do Impulso . Experiência em casos de relacionamentos conturbados, dependência comportamentais, como jogo, internet, comida, etc.

Nas redes sociais e na mídia em geral, as imagens que circulam são de bem estar, viagens e curtição. Vivemos numa ditadura do prazer, onde quem não está feliz e aproveitando ao máximo a sua vida é um inapto, inadequado e impotente, literalmente um castrado. Precisamos acolher a tristeza que existe em nós, aceitar as frustrações e a imperfeição, para combater as imagens que nos são impostas daquilo que se entende que é um corpo ideal, uma vida ideal, um trabalho ideal, uma rotina ideal. É necessário olhar para si e encontrar um caminho próprio, que não seja um caminho nas trevas desses ideais utópicos e impessoais.

A terapia é uma clareira nessa floresta densa e escura, um local de calmaria e segurança onde se pode refletir, respirar e receber a si mesmo. Deixando as técnicas, as metodologias e a teoria de lado, a essência da cura se dá no encontro sincero consigo mesmo e com o outro simbolizado pelo terapeuta. 

Arthur Dubrule

Siga-me no facebook, ou acesse a minha página profissional nos portais Doctoralia e MundoPsicólogo


Formação:

Formado em psicologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, ainda estudei filosofia na Sorbonne Paris IV. Meus estudos hoje se aprofundam em cursos, leituras, pesquisas, workshops e com um mestrado a caminho, dentro das áreas da psicanálise, das terapias corporais e da psicologia hospitalar.

  • Falo português, francês e inglês fluentemente. Espanhol intermediário.

                    

                       Mais informações:



Blog: Últimos posts


O estranho

10/01/2018

O psicanalista Nasio explica nesse trecho, que a cura se dá, em grande parte, pela abertura ao desconhecido, ao que é estranho ao sujeito, aquilo que desestabiliza a sua estrutura neurótica...

Um pouco do que aprendi no curso de transtornos do impulso no hospital das clínicas sobre impulsividade excessiva e patologias derivadas (texto de minha autoria baseado no livro: Clínica da impulsividade, desenvolvido pelos profissionais do AMITI que ministram o curso):

Nesse domingo, dia 05/11/27, ofereci um ateliê de cunho terapêutico para o público que foi visitar a exposição da artista Graça Lopes na Casa das Rosas na Av Paulista.

Mais textos:


Contato: